Outubro Rosa

Outubro Rosa: a força do empoderamento feminino em prol da vida

 

Viva mais as novas atitudes, e menos as mesmas barreiras

Já se foram mais de duas décadas desde que o simbólico laço rosa lançado pela Fundação Susan G. Komen foi distribuído pela primeira vez aos participantes da Corrida pela Cura do Câncer de Mama, nos Estados Unidos. O que era uma iniciativa isolada, ganhou o mundo com a campanha Outubro Rosa, promovida anualmente para chamar a atenção das mulheres sobre a importância da prevenção no combate à doença.

Ao longo de todo o mês, a Vivo, entidades, órgãos públicos e cidadãos se unem para divulgar os cuidados que podem salvar vidas. Camisetas, faixas, sites como da Vivo e Vivo Transforma e até monumentos como o Cristo Redentor e a Torre Eiffel ganham o destaque da tonalidade rosa. As principais sedes da Vivo no país também recebem a iluminação especial , uma maneira a mais de estimular o engajamento de funcionários, visitantes e todos os que circulam no entorno. Mas é possível aderir e colaborar mesmo com pequenas atitudes – uma postagem para os seguidores no Instagram ou no Facebook  pode levar informações sobre a campanha a milhares de pessoas.

 

 

Causa urgente – o câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais comum, atrás apenas do câncer de pele e atingindo mais de 57 mil mulheres por ano no Brasil, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA). Em meio a tantas demandas da sociedade conectada, reservar um tempo para olhar para si mesma  e se colocar como prioridade pode mudar totalmente esta realidade: tumores descobertos logo no início, quando ainda têm menos de um centímetro, apresentam grandes chances de cura.

 

 

Inimigo silencioso – caracterizado pela multiplicação de células anormais da mama, este tipo de câncer não possui  apenas uma causa. Pode ser gerado por uma combinação de fatores de risco, englobando alterações hormonais, histórico familiar, obesidade, tabagismo e idade avançada – a maior incidência está na faixa etária acima de 50 anos.

O grande desafio é que no início não apresenta sintomas. Geralmente o primeiro sinal notado pela maioria das mulheres é a presença de um caroço no seio, muitas vezes indolor. Outras ocorrências, quando a doença está em estágio um pouco mais avançado, são dor e alteração no formato das mamas ou secreção nos mamilos.

 

 

Como prevenir – a realização anual da mamografia é recomendada para mulheres a partir de 40 anos que apresentem os fatores de risco, onde é possível detectar nódulos malignos com apenas cinco milímetros e que não são palpáveis. Conforme indicação médica, podem ser utilizados ainda o ultrassom, a ressonância magnética e a biópsia (procedimento cirúrgico que recolhe amostra das células dos tumores). Estimativas do INCA indicam ainda que 30% dos casos poderiam ser evitados com uma rotina mais saudável , com atividade física regular, alimentação balanceada e peso corporal adequado.

 

 

Tecnologia é aliada – os aplicativos móveis podem ajudar a organizar as medidas de prevenção e cuidar da saúde em meio à rotina corrida. O Outubro Rosa BP (Android) informa datas de consultas e exames, funcionando como uma agenda sempre à mão. Já o Laço Rosa (Android) também permite fazer selfies com a marca da campanha para compartilhar com os amigos, auxiliando a divulgação. Mais interativo, o TratBem Saúde da Mulher (Android e IOS) registra o histórico de saúde e interesses da usuária, passando a enviar posteriormente mensagens personalizadas sobre bem estar e combate a doenças. O Dicas de Saúde e Alimentação (Android) não só traz informações importantes sobre o câncer, mas oferece dados sobre alimentação saudável, incluindo vitaminas e nutrientes de verduras, frutas e legumes para reforçar a dieta.

Compromisso social – tendo a valorização e promoção da diversidade em várias frentes como objetivo permanente para uma atuação sustentável, a Vivo apoia o Outubro Rosa, ajudando a disseminar o conhecimento sobre a campanha e a doença. Como líder em telecomunicações no Brasil, colabora continuamente com projetos que estimulem um ambiente inclusivo, pautado pela igualdade de oportunidades, equidade de gêneros e dos Direitos Humanos.

 

 

Se informar já é um grande passo, mas quer saber como pode ajudar ainda mais?

Clique aqui e contribua com a Américas Amigas para que mais mulheres possam realizar a mamografia.