Meio Ambiente

Negócio Responsável

Meio Ambiente

Energia Renovável

Nossa energia já é 100% renovável em 2018

A Vivo acaba de dar um passo importante para impulsionar a sustentabilidade em sua operação. Com a obtenção de energia renovável certificada, passamos a registrar 100% de nosso consumo de energia elétrica proveniente de fontes renováveis, como por exemplo o sol, vento, água, biomassa e calor da terra (geotérmica). Com esta iniciativa, a operação brasileira da Telefónica soma-se à da Espanha, Alemanha e Reino Unido e contribui de forma definitiva para a meta global do grupo, que é chegar a 2030 com consumo totalmente proveniente de fontes renováveis.

A nossa operação responde por 28% da energia utilizada pelo grupo Telefónica e é considerada fundamental para o cumprimento das metas de eficiência, energia renovável e baixa emissão de carbono do grupo. No Brasil está a maior rede de telecomunicações da empresa, com mais de 97,8 milhões de acessos no serviço fixo e móvel.

“Considerado o principal ofensor na geração de gases do efeito estufa, o consumo de energia elétrica, agora totalmente limpa e renovável, permitirá também à Vivo uma redução de 64% nas emissões de CO2 em 2020”, revela a executiva da área de Sustentabilidade, Joanes Ribas. A meta global da Telefónica é reduzir em 30% as emissões absolutas de CO2 até 2020 e 50% até 2030, além de cortar pela metade o consumo de energia por tráfego até 2020.

As medidas visam maior eficiência operacional, financeira e ambiental. “A obtenção de energia no mercado livre e a geração distribuída permitem redução de tarifas e convergem para uma operação essencialmente mais sustentável”, informa o diretor de Patrimônio, Caio Guimarães.

Eficiência e redução de consumo

Os desafios da empresa no campo energético contemplam também metas para aumento da eficiência e redução no consumo. Possuímos mais de 20 iniciativas voltadas para redução do consumo no Brasil. Entre as medidas está o investimento na modernização da rede, com a implantação de tecnologia avançada, desligue de equipamentos obsoletos e substituição de equipamentos por ativos mais modernos, com maior capacidade de informação e igual ou menor consumo.